Publicador de conteúdo web

Departamento de Informações Gerenciais - DEIGE

Diretor:
Antônio Francisco Ligiero Tel: 3133-4472
Localização:
Av. Erasmo Braga, 115 - Lâmina II - 10° andar - sala 1016 - Fórum Central
Telefones: 3133-3201 / 3133-2960 / Fax: 3133-1882

Clique aqui para visualizar o organograma

Estrutura do Departamento:
Divisão de Análise de Indicadores - DIANI
Diretora: Josiane Wolski
Tel: 3133-3427
Divisão de Coleta e Tratamento de Dados - DICOL
Diretor: Rodrigo de Oliveira Rocha
Tel: 3133-4084
Divisão de monitoramento e Informação de Dados - DIMID
Diretora: Carla Cristina Pinho Marques
Tel: 3133-1965
Atribuições:
Resolução 19/2013:
Art. 212. Cabe ao Departamento de Informações Gerenciais da Prestação Jurisdicional:
a) propor alterações na Consolidação Normativa;
b) prestar apoio administrativo, técnico e operacional à COMAQ;
c) propor, executar e controlar a política de divulgação dos dados estatísticos do PJERJ, considerando o seu planejamento estratégico institucional e as políticas e orientações do Conselho Nacional de Justiça;
d) formular, implantar, monitorar e avaliar a gestão da estatística do Tribunal de Justiça;
e) aprovar previamente a divulgação de qualquer dado estatístico do Tribunal de Justiça relativo às serventias judiciais de primeiro grau de jurisdição;
f) receber demandas e sugestões relacionadas à modificação da coleta e divulgação de dados estatísticos e definir prioridades na formulação e execução das modificações sugeridas;
g) fornecer dados estatísticos à Assessoria para Assuntos Referentes ao Conselho Nacional de Justiça - CNJ;
h) coordenar a sistemática de divulgação dos resultados das metas nas mídias e sistemas disponíveis;
i) propor à Presidência do Tribunal de Justiça a criação de parâmetros para as estatísticas;
j) disponibilizar informações estatísticas para órgãos do Poder Judiciário, bem como para órgãos externos;
k) definir, coletar e analisar dados estatísticos e indicadores de desempenho referentes à atividade jurisdicional, que possam subsidiar estudos e relatórios gerenciais, referentes à 2ª Instância; além da gestão de pessoal e da infraestrutura do Departamento.
Art. 213. O Departamento de Informações Gerenciais da Prestação Jurisdicional compreende as seguintes Unidades:
I ¿ Divisão de Coleta e Tratamento de Dados;
II ¿ Divisão de Análise de Indicadores;
III - Divisão de Monitoramento e Informação de Dados.
Art. 214. Cabe à Divisão de Coleta e Tratamento de Dados:

 

  1. elaborar relatórios estatísticos baseados em dados extraídos dos sistemas de informática;

b) emitir e enviar relatórios estatísticos de acordo com solicitações feitas por e-mail, telefone, ofício ou pessoalmente originadas de diversos órgãos internos e externos;
c) conferir migração de dados para o banco de dados;
d) solicitar elaboração de novos relatórios estatísticos à DGTEC;
e) prestar informações em processos administrativos em assuntos como: extinção, criação e elevação de Comarcas/Serventias; especialização/desmembramentos de serventias; estudos sobre questões geográficas, econômicas e outras relativas ao funcionamento do Judiciário Fluminense;
f) confeccionar anuários estatísticos com dados da produtividade de Juízes e serventias;
g) fornecer relatórios estatísticos à COMAQ para instrução de processos administrativos a serem decididos em sessão e à Comissão de Juizados Especiais (COJES);
h) participar de reuniões para implementação de melhorias com relação aos relatórios extraídos do sistema de informática;
i) criar gráficos demonstrativos e comparativos com base em dados estatísticos extraídos dos sistemas de informática;
j) extrair os dados estatísticos requisitados pela Assessoria para Assuntos Referentes ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ);
k) estabelecer mecanismos de coleta, organização e disseminação de informações sobre os dados estatísticos do PJERJ;
l) realizar estudos, visando à criação de parâmetros para as estatísticas;
m) gerar relatórios de informações gerenciais;
n) extrair, através do banco de dados, dados judiciais para a alimentação do sistema relativo ao Projeto Justiça em Números;
o) reunir as informações administrativas, provenientes das diversas Diretorias Gerais do PJERJ, necessárias para a alimentação do sistema relativo ao Projeto Justiça em Números.
p) receber as estatísticas relativas ao Grupo de Sentenças e elaborar informação ao setor próprio para fins de pagamento dos Magistrados participantes.
Art. 215. Cabe à Divisão de Análise de Indicadores:
a) acompanhar dados estatísticos com o objetivo de propor a criação/elevação/extinção de comarcas e serventias;
b) criar glossário com definições precisas dos termos utilizados na análise estatística;
c) participar de projetos que auxiliem o desenvolvimento do Judiciário Fluminense;
d) assessorar a Alta Administração mediante a análise e elaboração de informações de caráter gerencial e atividades correlatas;
e) medir coeficientes estatísticos entre serventias com a mesma competência;
f) sugerir a criação de programas de informática e ferramentas para o melhor desempenho na produtividade das serventias;
g) gerenciar as Tabelas Processuais Unificadas do CNJ ¿ TPU, no que concerne a todas as alterações operadas no sistema e inclusão de novos assuntos e movimentos;
h) atender aos usuários de todas as comarcas do Estado em relação a dúvidas quanto à utilização das Tabelas Processuais Unificadas do CNJ;
i) ministrar eventuais capacitações acerca das TPU, por determinação da Presidência;
j) acompanhar resultados das decisões tomadas pelas comissões, como equiparação de competências, desdobramento, extinção de serventias etc. para verificar se ficaram adequados às metas traçadas pelo Tribunal;
k) analisar, instruir, elaborar pareceres, informações, minutas de projetos de lei, provimentos, resoluções etc.;
l)elaborar material de apoio para dirimir dúvidas dos serventuários.
Art. 216. Cabe à Divisão de Monitoramento e Informação de Dados:
a) cadastrar: serventias judiciais e unidades de apoio à 1ª Instância, com utilização do sistema histórico das serventias (SHS), bem como criar códigos de cadastramento utilizados como chave de indexação; a extinção e desativação de serventias judiciais de 1ª Instância ou unidade da Corregedoria Geral de Justiça (CGJ); elevação da Comarca;
b) atualizar dados de cadastro junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ);
c) monitorar e atualizar a vacância do cargo de titular das serventias judiciais de 1ª instância;
d) analisar e emitir parecer sobre os relatórios de monitoramento da produtividade de serventias judiciais de 1ª Instância, bem como em processos administrativos no nível de competência;
e) controlar o acesso aos sistemas corporativos do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), mantendo o cadastro de órgãos no sistema de controle de acesso e monitorando o cadastro de interceptações;
f) monitorar a atualização das informações jurisdicionais junto ao CNJ, fomentando a alimentação das informações pelos Magistrados;
g) operacionalizar as deliberações das sessões da COMAQ;
h) atuar corretiva e preventivamente para melhorar os relatórios analíticos dos sistemas informatizados do Tribunal para utilização das Serventias de 1ª Instância;
i) conscientizar os gestores das serventias e equipe de gabinete sobre o registro das informações nos sistemas informatizados do Tribunal;
j) atuar em parceria com a DGDIN para buscar a melhoria dos sistemas informatizados do Tribunal, com base nos resultados das auditorias externas e internas, bem como nas consultorias prestadas aos gestores e gabinete das serventias judiciais.