Publicador de conteúdo web

Pesquisas

A Lei de 7 de novembro de 1831 e as ações cíveis de liberdade na Cidade de Valença (1870 a 1888)

Argemiro Eloy Gurgel

Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Resumo: Esta dissertação tem por objetivo analisar a trajetória da lei de 7 de novembro de 1831, desde a sua promulgação, com a finalidade de abolir o tráfico de africanos, até a aplicação de seus novos usos, a partir de década de 1850, para requerer por via judicial a liberdade dos africanos ilegalmente escravizados. O tema não é inédito, mas o que procuramos fazer foi reunir em um mesmo trabalho esses dois momentos da lei, visando, por um lado, obter uma visão de conjunto, e por outro, identificar os meios legais usados por advogados, magistrados, escravos e fazendeiros na busca de estabelecer uma definição da lei que atendesse aos seus interesses. A base empírica da pesquisa concentrou-se numa cidade pertencente à então província do Rio de Janeiro ¿ a cidade de Valença, cuja economia estava em crise na segunda metade do século XIX.

 

Nos tempos de Capanema, a saúva e os direitos de monopólio

Edilaine Vieira Costa

Museu da Justiça

Resumo: O objetivo deste artigo é analisar sete processos de Embargos e duas Queixas Criminais que fazem parte do acervo histórico do Museu do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, nos quais atuou como suplicante um grande cientista brasileiro,Guilherme Schüch Capanema (Barão de Capanema), buscando impedir a comercialização ilegal de um invento de sua autoria, o qual ficou muito famoso à época, pois foi largamente usado no combate às formigas saúvas que arrasavam as plantações do país, principalmente as cafeeiras.

 

O Que Pensa: Tribunal do Júri...

Desembargador Luís César A. Bittencourt Silva

Gilmar de Almeida Sá

Museu da Justiça

Resuno: Trabalho elaborado a partir da organização dos dados coletados por meio de extenso questionário preenchido por jurados de diversas comarcas do Estado do Rio de Janeiro, com o intuito de identificar o perfil socioeconômico e outras características destes importantes, porém anônimos, personagens da Justiça brasileira. A produção, datada de julho de 2009, foi realizada no Serviço de Documentação Histórica do Museu da Justiça.

 

Desembargador Osny Duarte Pereira: uma visão ambiental e nacionalista do Brasil

Fábio dos Santos Teixeira

Museu da Justiça

Resumo: O objetivo do artigo é resgatar e divulgar parte da história do Desembargador Osny Duarte Pereira e sua luta em prol da liberdade, da proteção ambiental e de um projeto nacionalista com justiça social e desenvolvimento econômico.

 

À margem da economia: Cachaça e protocampesinato negro no litoral sul fluminense (1800-1888)

Camila Moraes Marques

Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense

Resumo: No Brasil imperial, a província do Rio de Janeiro dividia-se em áreas econômicas específicas e interligadas que geralmente não se enquadravam ao modelo de plantation existente no Vale do Paraíba. O litoral sul fluminense especializou-se, durante a segunda metade do século XVIII, na fabricação da cachaça que, aos poucos, conquistava os mercados africanos fornecedores de escravos. A expansão do tráfico conduzida pelos negociantes cariocas esteve diretamente relacionada ao fortalecimento da produção da bebida em Angra dos Reis e Parati, até meados dos oitocentos. Neste momento, a abolição das importações de africanos inaugurava um novo contexto socioeconômico no litoral sul: a diminuição do comércio da cachaça ampliava a agricultura de abastecimento e, ao mesmo tempo, a venda de cativos para as áreas cafeeiras deslegitimava o escravismo, forçando o estabelecimento de novas relações de trabalho. As comunidades escravas cristalizaram-se e buscaram ampliar os espaços de autonomia dentro das grandes unidades rurais, formando o que chamamos de protocampesinato negro na segunda metade do século XIX.

 

A terra e seus muitos domínios: Senhores, lavradores e escravos nas redes pelo usufruto da terra (Vila de Iguaçu, 1840-1880)

Rubens da Mota Machado

Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História Social, do Instituto de História, da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo: Esta dissertação tem como temática principal o estudo das formas de acesso à terra na Vila de Iguaçu no transcorrer da segunda metade do século XIX. A pesquisa revelou as histórias de vida de diferentes segmentos sociais na luta pelo acesso e permanência na terra. Neste trabalho sustentamos a hipótese de que as formas de acesso à terra não estavam limitadas aos mecanismos jurídico-legais de apropriação do solo. E sim que o usufruto da terra dependia de complexos mecanismos de negociação na hierarquização social da Vila de Iguaçu na segunda metade dos oitocentos. Neste sentido, trabalharemos com alguns casos que ajudam a demonstrar a hipótese que diferenciados segmentos sociais acessavam o recurso da terra por meio de relações pessoais e laços comunitários dentro das freguesias da Vila de Iguaçu.

 

Inserção e consolidação da participação de advogados no colegiado dos tribunais

Sandra de Mello Carneiro Miranda

Dissertação apresentada como requisito parcial para conclusão do Mestrado em Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade Federal Fluminense

Resumo: Essa pesquisa visa verificar como se deram os processos de inserção e de consolidação de advogados no colegiado dos tribunais. Ela centra-se no período de 1926 a 1934, anos das edições respectivas do Decreto 5.053 e da Constituição Federal de 1934. Esses marcos se devem às constatações de que foi aquele Decreto, que modificou a organização judiciária do Distrito Federal e inseriu, pela primeira vez, a possibilidade de nomeação de desembargadores de forma livre pelo governo entre advogados e membros do Ministério Público; e de que foi a Constituição Federal de 1934 que consolidou a participação dessas pessoas estranhas à magistratura nos tribunais com a criação da regra do quinto constitucional. Os focos de análise foram a cidade do Rio de Janeiro e o Distrito Federal. Pretende-se mostrar, com base, sobretudo, nos estudos de Maria da Glória Bonelli, que os processos de inserção e de consolidação de advogados e membros do Ministério Público no colegiado dos tribunais, foram consequência, dentre outros fatores, de estratégias implementadas por bacharéis advogados, desde o Império e o surgimento da República, para influir nas decisões do governo. Assim, a proximidade entre os membros do IOAB (depois OAB) com o centro de poder político ¿ Rio de Janeiro ou Distrito Federal, bem como a estreita relação entre bacharéis-advogados com o Poder Judiciário, contribuíram para a inclusão da regra estudada no nosso sistema jurídico constitucional. Trata-se de pesquisa interdisciplinar que envolve o Direito, a História e a Sociologia. Fez-se a análise da legislação sobre o tema com base no contexto jurídico-político e social de cada época, priorizando as fontes primárias e os autores contemporâneos, e usando, como suporte, historiadores, sociólogos e juristas da atualidade.