Museu da Justiça: exposições e visitas guiadas aos antigos Palácios da Justiça do Rio e de Niterói

Nas visitas guiadas pelo Museu ao Antigo Palácio da Justiça, destaque para a arquitetura estilo eclético classicizante, com lustres de cristal baccarat francês  Um dos painéis da exposição sobre a mulher homenageia Gilka Machado - poetisa, sufragista, feminista carioca e fundadora do Partido Republicano Feminino, em 1910.

O Museu da Justiça está promovendo, dentro do circuito do Poder Judiciário do Rio e de Niterói, quatro exposições: "Mulher, Direito e Sociedade: o feminino na construção da Justiça" ¿ no Antigo Palácio da Justiça do Rio; "Dom João VI e a Justiça em Niterói"; "Projeto Memória do Poder Judiciário" e "A Justiça e sua Simbologia" ¿ essas três últimas, em cartaz no Centro da Memória Judiciária de Niterói. Os eventos são gratuitos e para um público de todas as idades.

A maior delas, que fala sobre a trajetória da mulher na sociedade, foi inaugurada em agosto desse ano, e pode ser vista durante a visita mediada ao antigo prédio do Rio ou de forma individual. O horário de funcionamento é de segunda a sexta, das 11h às 17h, no Salão dos Passos Perdidos (2º andar) e dos Espelhos (3º andar), na Rua Dom Manuel, 29, no Centro. A nova mostra tem como objetivo apresentar uma perspectiva histórica sobre as questões de gênero em nossa sociedade, principalmente a relação entre as conquistas de direitos obtidas pelas mulheres dentro e fora do Poder Judiciário.

Outras três exposições estão também abertas ao público no Centro da Memória Judiciária de Niterói e tratam dos aspectos da história da cidade e da Justiça fluminense. São elas: "Dom João VI e a Justiça em Niterói", que destaca o papel do monarca na criação da Vila Real da Praia Grande, origem da cidade de Niterói; "Projeto Memória do Poder Judiciário", que retrata a Justiça nacional e estadual de outras épocas, por meio de objetos, quadros e condecorações; e "A Justiça e sua Simbologia", que procura dar ao visitante uma ideia do significado das figuras e representações utilizadas na esfera judiciária.


Visitas guiadas

Além das exposições em cartaz, o Museu da Justiça tem outras atividades, como as suas tradicionais visitas mediadas por educadores aos antigos Palácios da Justiça do Rio e de Niterói, com a duração de 60 minutos. Ambas as visitações percorrem vários ambientes que mostram o funcionamento da Justiça fluminense atual e de outras épocas, e que falam, também, sobre a história da arquitetura de cada prédio e de seus arredores. Os painéis e vitrais distribuídos pelos andares fazem ainda um paralelo entre a mitologia e a justiça comum dos homens.

No Rio, os passeios guiados acontecem todas as terças (às 14h) e quartas-feiras (às 11h e às 14h). Podem também ser agendados grupos, com no máximo 40 pessoas por sessão. Mais informações, pelos telefones (021) 3133- 3532/3497 ou pelo e-mail exposicoes@tjrj.jus.br.

E em Niterói, os interessados podem obter informações sobre as visitas guiadas pelos telefones (021) 3002-4284/4285 ou, ainda, pelo e-mail museudajustica.niteroi@tjrj.jus.br. O Centro da Memória Judiciária de Niterói está aberto ao público de segunda a sexta, das 11h às 18h, e fica dentro do antigo Palácio da Justiça daquela cidade, na Praça da República, s/nº - Centro. A unidade é administrada pelo Museu da Justiça/DEGEM, órgão integrante da Diretoria-Geral de Comunicação Institucional (DGCOM) do TJRJ.

 

Mais informações sobre o Museu da Justiça, clique aqui.