TJ do Rio apresenta projeto que prepara jovens para o mercado de trabalho
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 22/08/2018 19:43

                                                                                                                    Projeto para jovens é lançado no TJRJ

 

Chegar aos 17 anos e finalmente ter a oportunidade de ser preparado para o mercado de trabalho. Foi assim que F.Y.I, que cumpre medida socioeducativa por assalto a mão armada, recebeu a notícia de que tinha sido selecionado para fazer parte da primeira turma de um convênio entre o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e a Amil. O projeto Central de Aprendizagem, da Corregedoria Geral da Justiça (CGJ) do Estado do Rio de Janeiro, vai beneficiar 25 jovens cadastrados no programa que se encontram em abrigos, liberdade assistida ou semiassistida.

“É uma porta que se abre. As pessoas me acolheram muito bem. Esse projeto caiu do céu para mim. Eu agradeci a Deus quando fui informado que fui selecionado. Minha mãe me inscreveu na Vara da Infância e da Juventude para tentar uma oportunidade, e depois de um mês eles entraram em contato", contou.

De acordo com o presidente do TJRJ, desembargador Milton Fernandes de Souza, a iniciativa visa estimular os jovens para o mercado de trabalho em uma sociedade desigual, com falta de oportunidades para as classes mais baixas. A começar pelo acesso à educação.

“Esse projeto é excelente. É a oportunidade desses jovens que estavam desviados da sociedade se reenquadrarem. É um exemplo para todo o país”, destacou o magistrado.

Nesta quarta-feira, dia 22, foi realizada a aula magna do Curso de Formação Cidadã e Comportamental, no Auditório José Navega Cretton. Dois dias antes os alunos participaram de uma reunião de acolhimento para conhecerem os envolvidos e falarem sobre seus anseios em relação ao projeto. Todos receberam transporte, lanche e material gratuito.

Para o corregedor-geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, desembargador Cláudio de Mello Tavares, a partir de agora se inicia uma nova fase da Central de Aprendizagem, criada ano passado.

“O jovem detido é levado a uma das Varas da Infância e da Juventude e o juiz responsável pelo caso insere os dados dele na Central, que é acessada por empresas que contratam aprendizes. Com experiência, aumentam as chances de conseguirem uma oportunidade. Tivemos um marco inicial a partir de hoje com o projeto. Nós estamos tirando esses jovens da ociosidade e dando uma oportunidade de futuro”, acrescentou o corregedor.

As aulas acontecem três vezes por semana na Escola de Administração Judiciária (Esaj). Cidadania, comunicação e marketing pessoal, educação financeira e empreendedorismo fazem parte do curso oferecido a jovens entre 17 e 24 anos, com aulas ministradas pelo Instituto Ser Mais e patrocinadas pela Amil.

“Nosso grande desafio é diminuir a estatística de 85% de jovens longe das escolas. É necessário um apoio socioeducativo para que eles consigam percorrer o caminho que perderam durante o período escolar”, disse a juíza Raquel Santos Pereira Chrispino, presidente da Comissão Interinstitucional do Estado do Rio de Janeiro para Aprendizagem.

Uma das principais dificuldades , convencer empresários a darem uma chance aos jovens, já começa a ser superada. As aulas são patrocinadas pela Amil. Para a diretora de Sustentabilidade do UnitedHealth Group Brasil, controladora da empresa, Odete Freitas, a iniciativa tem tudo para dar certo.

“A seleção de jovens foi feita em conjunto com a Corregedoria. Optamos por selecionar quem tivesse cursado o Ensino Fundamental II, ou em fase de conclusão. A gente espera que essa primeira fase seja exitosa para estimular outras empresas a fazerem o mesmo”, explicou.

Estiveram presentes no evento os desembargadores do TJRJ Marcelo Anátocles e César Cury, o defensor público-geral do Estado do Rio, André Luis Machado de Castro; o juiz auxiliar da Corregedoria Geral da Justiça, Afonso Henrique Ferreira Barbosa; a diretora-geral de Administração da Corregedoria-Geral da Justiça, Alessandra Anátocles; o diretor Jurídico do UnitedHealth Group Brasil, Eduardo Gil, promotores do Ministério Público do Estado do Rio, do Ministério Público do Trabalho e familiares dos jovens atendidos pelo projeto .

SV/ AB

Fotos: Luis Henrique Vicent/TJRJ