Justiça Cidadã promove debate sobre curatela com líderes comunitários no Fórum Central do Rio
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 03/12/2018 17:32

 

                                                                                               Atentos, os participantes  tiram suas dúvidas sobre o instituto da curatela

 

Cerca de 70 alunos do programa Justiça Cidadã participaram na sexta-feira, dia 30, da palestra “O Instituto da Curatela no Direito Civil Moderno DPVAT – O que você sempre quis saber e tinha vergonha de perguntar”. A aula de reciclagem do projeto foi realizada no auditório José Navega Cretton, no Fórum Central do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ).

A diretora do Departamento de Ações Pró-Sustentabilidade (Deape), Rosiléa Di Masi Palheiro, responsável pelo desenvolvimento do programa, abriu o evento. As palestras foram ministradas pela perita do TJRJ Gilse Siqueira Prates, pós-graduada em Neuropsiquiatria Geriátrica; pela médica e perita Maria de Fátima Furtado e pelo gerente de relacionamento do DPVAT (Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), Cassiano Guimarães.

Para Gilse Prates é importante esclarecer algumas dúvidas sobre o processo de curatela. “São temas que fazem parte do dia a dia dos líderes comunitários. Muitos se veem obrigados a fazer quando nem sempre é necessário”, explicou.

A médica Maria de Fátima Furtado explicou sobre a necessidade de desmistificar a perícia administrativa. “As pessoas têm certo receio quanto à perícia, às vezes acham desnecessária. É importante explicar a sua importância e simplificá-la para o entendimento, porque ela auxilia no recebimento de uma indenização justa, sem atrapalhar o processo”, afirmou.

Encerrando as apresentações, Cassiano Guimarães destacou o projeto Recomeço, que acolhe as vítimas de acidentes de trânsito para realocação no mercado de trabalho e outras demandas sociais.

O líder comunitário David Belarmino, de 64 anos, participou da terceira turma do programa e fala com muita gratidão sobre tudo que aprendeu. “Eu era conselheiro tutelar na época em que fiz o curso, e foi muito bom porque fomos capacitados para atuar de acordo com as leis e a Constituição Federal. É um aprendizado muito grande para nós, líderes comunitários, que ajudamos e orientamos outras pessoas”, destacou.

 

Turma especializada em soluções alternativas de conflitos

 

                                                                                                        O curso contou a parceria da juíza Mylene Glória Pinto Vassal

                                            

Com uma palestra sobre “Práticas Sistêmicas para a Prevenção, Gestão e Resolução de Conflitos”, ministrada pela assistente social Fabiana Aldaci Lanke, foi encerrada na última quinta-feira, dia 29, a X Turma da Justiça Cidadã Especializada em Soluções Alternativas de Conflitos.  Realizado no Fórum Regional de Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, o evento contou com a participação de 104 alunos, que receberam seus certificados.

O curso, desenvolvido em parceria com a juíza Mylene Glória Pinto Vassal, foi realizado nos dias 8, 13, 22, 27 e 29 de novembro, abordando temas relacionados à solução de conflitos.

O Programa Justiça Cidadã é coordenado pela desembargadora Cristina Tereza Gaulia e promovido pelo Departamento de Ações Pró-Sustentabilidade (Deape), sob a direção de Rosiléa Di Masi Palheiro. Criado em 2004 como um programa de formação continuada, promove a inclusão social e o exercício da cidadania responsável, crítica e consciente.

MP/AB

Fotos: Felipe Cavalcanti/TJRJ

 

                                                                                                    A assistente social Fabiana Aldaci Lanke fala na aula de encerramento

 

Galeria de Imagens