Acusado da morte da motorista de Uber tem prisão preventiva decretada
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 09/01/2019 16:29

Em audiência de custódia na Justiça, realizada nesta quarta-feira, dia 9, Edvaldo Félix Duarte dos Santos teve convertida em preventiva a prisão em flagrante pela morte da motorista do aplicativo Uber Kátia Valéria Nunes Bastos.

O corpo da vítima foi encontrado nu e com marcas de estrangulamento, caído entre os bancos do seu carro, mas que estava sendo dirigido por Edvaldo. Uma patrulha da Polícia Militar teve a atenção despertada para o veículo, parado no acostamento e com as lanternas acesas, na altura do quilômetro 16 da Rodovia Washington Luiz, em Duque de Caxias.

O motorista tentava dar ré e, com a descoberta do corpo, alegou ter mantido relações sexuais consentidas pela vítima. Disse que a mulher pediu para apertar o pescoço e ele só parou quando viu que do nariz dela escorria sangue.

A juíza Amanda Azevedo Ribeiro Alves, da Central de Custódia, destacou na decisão que: “As circunstâncias do fato são de extrema gravidade, uma vez que conforme os relatos, o custodiado mentiu para os policiais militares ao ser abordado, dizendo que a vítima seria sua esposa e que a estava levando para o hospital, certamente para evitar a prisão em flagrante, demonstrando assim a necessidade de custódia cautelar para garantia da ordem pública e da instrução criminal. Trata-se de crime gravíssimo de natureza hedionda, que merece total repúdio por parte do Poder Judiciário pela gravidade em concreto da conduta delituosa”.

 

Processo nº 0004045-78.2019.8.19.0001

 

PC/JM