Cinco irmãos, duas novas famílias
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 08/03/2019 11:30
Comissão de Adoção Internacional conduz adoção de irmãos por dois casais italianos

 

O italiano Erminio Garofano, 58 anos, chega à audiência em sua cadeira de rodas. A esposa, Daniela Guerra, 41, esboça um sorriso tímido que logo se abre nas brincadeiras com Carlos (9 anos) e Sonia (17 anos). No mês passado, a 3ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso (VIJI) da Regional de Madureira autorizou a adoção internacional de Carlos, Sonia e de outros três irmãos – Laiane, Ana Cristina e Richard, que ficaram com o casal Donato e Grazia. O passo a passo para as duas adoções foi conduzido pela Comissão Estadual Judiciária de Adoção Internacional (CEJAI) do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ). As novas famílias deixaram o Brasil esta semana.

A cadeira de rodas vira carrinho para Carlos, que não para um minuto no colo do pai. Quer brincar com todos. Entra o juiz Luís Otávio Barion Heckmaier, auxiliar da 3ª VIJI. As perguntas necessárias do magistrado e da promotoria são respondidas rapidamente pela nova família. Emocionado, o pai olha para baixo tentando conter as lágrimas. Daniela se alegra pelo que diz ser o melhor momento de sua vida e descreve bem o espírito da adoção: não é sair à procura de uma criança para qualquer família, mas apontar a melhor família para aquela criança. E acrescenta:

- Eu quero dar a eles tudo aquilo que não tiveram.

O pai promete respeitar a cultura e a origem dos novos filhos. Com uma ressalva:
-Do Brasil levo meus tesouros, as melhores emoções. Só deixo o miojo. Que coisa horrível!, diz com a autoridade de quem é da terra da autêntica macarronada.

O juiz conta que também acaba se contagiando com a alegria das partes envolvidas em casos de adoção:

- Esse processo é realmente muito gratificante, você vê a emoção, a esperança das pessoas. O sonho dos casais de ter suas próprias famílias pontua a melhor das audiências: a conclusão de um processo de adoção.

Emilio e Daniela, Donato e Grazia firmaram compromisso de que que os cinco irmãos manterão contato permanente para que o vínculo fraternal seja preservado. As famílias moram próximas – uma distância de 20 quilômetros – na região de Salerno, na Itália.

FB / SF

Fotos: Brunno Dantas/TJRJ