Decretada prisão de empresários e policiais que negociavam veículos apreendidos em Casimiro de Abreu
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 11/04/2019 14:48

Cinco homens, entre eles um policial civil, um guarda municipal e o dono de um depósito público de carros, tiveram a prisão preventiva decretada pelo juiz Rafael Azevedo Ribeiro Alves, da Comarca de Casimiro de Abreu. Eles foram acusados por formação de organização criminosa com o objetivo de negociar ilegalmente a liberação de veículos apreendidos em blitzes no município.

Os acusados são o dono do depósito Washington de Oliveira Magalhães, conhecido por Pimpolho; Luiz Rogério Batista Machado, gerente do estabelecimento; o policial civil Celso Alves; o guarda municipal Fábio de Souza Ribeiro Gomes; e o empresário Laércio Martins de Almeida. Empregada do depósito, Carla Coelho Toledo terá de cumprir medidas cautelares em liberdade, com o comparecimento quinzenal ao juízo e a proibição de frequentar repartições públicas.

Foram denunciados também nove policiais militares que tiveram o processo desmembrado e enviado para a Auditoria da Justiça Militar. O processo está em segredo de Justiça.

A denúncia do Ministério Público relata que, após a celebração do contrato entre o município e a empresa W.O. Magalhães, dona do depósito público, foi registrado um aumento no número de veículos apreendidos pelos guardas municipais e policiais militares no município. O relatório aponta, ainda, que os guardas municipais recebiam R$ 25,00 a cada veículo apreendido. No depósito, de acordo com as investigações, peças dos veículos apreendidos seriam substituídas por outras já usadas e depois comercializadas com o empresário Laércio Martins, dono de uma agência de carros.

Além da prisão dos envolvidos no esquema, o juiz determinou busca e apreensão nas residências e no depósito público.

 

Processo: 0001213-92.2017.8.19.0017

PC/ SF