TJRJ festeja Dia Mundial do Meio Ambiente e comemora resultados de iniciativas sustentáveis
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 04/06/2019 20:18

A preocupação ambiental e as práticas sustentáveis estão presentes no cotidiano do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ). Para destacar o Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado nessa quarta-feira (5/06), o portal do TJRJ tem novas cores e imagens de animais que compõem a fauna brasileira. Já o Antigo Palácio da Justiça recebeu iluminação especial em tons de verde.

- O Dia Mundial do Meio Ambiente existe para o ser humano lembrar de seus compromissos com o clima, com a preservação, com a proteção de nossas relações com a natureza. É um dia de responsabilidades – defende o presidente da Comissão de Políticas Institucionais para a Promoção da Sustentabilidade (COSUS), desembargador Jessé Torres.

E a data está sendo duplamente comemorada no TJRJ: lançado em 2015, o Plano Quinquenal de Logística Sustentável do Poder Judiciário fluminense, gerou, até o ano passado, uma economia de mais de R$ 18 milhões aos cofres públicos com a adoção de diferentes medidas.

- Temos cerca de 800 magistrados, 15 mil servidores, e outras milhares de pessoas que circulam pelos nossos prédios todos os dias. O Tribunal de Justiça do Rio estabeleceu compromissos no consumo de água, de combustível, de energia elétrica e de papel, de maneira a evitar desperdícios. Ao mesmo tempo, desenvolve um trabalho de conscientização e comprometimento de seus magistrados e servidores para a causa – destaca o desembargador.

De acordo com Jessé Torres, por conta de suas atividades pioneiras na área ambiental, o Tribunal de Justiça do Rio é referência para outras instituições. E a busca por novos caminhos sustentáveis prossegue.

- Desde 2010 pensamos a questão da sustentabilidade de uma forma estruturada e, hoje, podemos destacar várias ações positivas que foram promovidas ao longo desses anos. E, o mais importante: continuamos a buscar novas formas de atuação. Na atual gestão, do presidente Cláudio de Mello Tavares, a compensação do CO2 se tornou foco estratégico e o Departamento de Ações Pró- Sustentabilidade (Deape) já está mobilizado para elaborar um plano de ação – informa a diretora do Deape, Rosilea di Masi Palheiro.

 

Atualmente, o Poder Judiciário fluminense possui 11 prédios com teto verde, 19 com sistema de reuso das águas pluviais e oito fóruns equipados com painéis solares. Já são 73 os prédios do TJRJ que possuem bicicletário, o que ajuda a para desafogar o trânsito e a melhorar a qualidade do ar nas cidades.

Além disso, palestras, seminários, cursos e até exposições são realizadas para fomentar o debate sobre a questão ambiental. No dia 30 de maio, o CCMJ - Museu da Justiça-Centro Cultural do Poder Judiciário inaugurou a exposição “Absurdos Insustentáveis – a Arte como agente transformador na preservação do Meio Ambiente”. A mostra reúne 55 trabalhos do artista Alexandre Pinhel, todos feitos com material reaproveitado, e pode ser visitada até o dia 30/08.

- Conhecendo as obras nós passamos a acreditar que tudo pode ter uma outra serventia, tudo se transforma. A exposição tem uma missão cultural e educacional fantástica. Fiquei impressionado com um quadro feito com pomadas médicas com prazo de validade vencidos. A criatividade do Pinhel é inesgotável - elogiou o desembargador Jessé Torres na ocasião da inauguração.

Uma outra forma de sensibilizar funcionários e demais cidadãos sobre a importância da causa ambiental foi a instalação, no térreo do Fórum Central, do papa-cartão e do papa-pilhas, para descarte seguro de cartões, pilhas e baterias. Desde a instalação, que ocorreu há cerca de um ano, já foram recolhidos 500 quilos de pilhas e dez mil cartões.

A partir dessa quarta-feira, (05/06), Dia Mundial do Meio Ambiente, também será instalado, no mesmo local, o papa-tampinhas, uma contribuição do TJRJ ao projeto “Rodando com Tampinhas”, idealizado por voluntários da Paróquia São José, na Lagoa. A iniciativa busca recolher tampinhas plásticas e vendê-las para a compra de cadeiras de rodas para Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR).

- É importante destacar que todos também devem fazer sua parte, não somente o Poder Público. Quando você polui, desperdiça e/ou produz resíduos que não são recicláveis, contribui para um desastre coletivo - finaliza o desembargador.

MG/FS

Fotos: Felipe Cavalcanti/TJRJ

            Brunno Dantas/ TJRJ