Publicador de conteúdo web

O Rio continua índio

Museu Judiciário: Um Projeto Pioneiro

SEMINÁRIO "O RIO CONTINUA ÍNDIO"

Neste ano em que a cidade do Rio de Janeiro comemora 450 anos de fundação pelos colonizadores europeus, era oportuno e necessário registrar a milenar presença ancestral dos povos indígenas no Brasil, dando a eles a visibilidade e importância que a história oficial nem sempre reportou, valorizando sua contribuição histórica, cultural e étnica na formação do povo brasileiro.

Por isso, o Museu da Justiça acolheu com entusiasmo a proposta da Associação Indígena Aldeia Maracanã (AIAM) de realizar em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro este seminário, a fim de oferecer ao público carioca uma visão multidisciplinar da presença e do legado indígenas desde 8.000 anos atrás, quando habitavam o litoral fluminense os povos dos sambaquis, até os dias de hoje, com várias aldeias Guarani vivendo de modo tradicional nos municípios de Paraty, Angra dos Reis e Maricá, além de milhares de indígenas autodeclarados vivendo em contexto urbano na cidade e no Estado do Rio.

No primeiro dia do seminário essa rica e ainda tão pouco conhecida história dos povos indígenas no Rio de Janeiro foi abordada por alguns dos mais respeitados arqueólogos, historiadores e antropólogos da academia brasileira e também contou com a presença e fala de lideranças indígenas. No segundo dia, foram debatidas as políticas públicas indigenistas no âmbito do Estado do Rio.

Para ilustrar essa verdadeira viagem cultural através dos milênios, o público carioca teve acesso simultaneamente a duas exposições especialmente montadas nos salões do Museu da Justiça sobre o tema. Uma com perspectiva histórica e antropológica criada pelo Museu do Índio/FUNAI, em conjunto com a Comissão Pró-índio/UERJ, e outra com viés de arqueologia indígena montada pelo Instituto de Arqueologia Brasileira (IAB).

A iniciativa, além de ajudar a preencher uma lacuna na programação comemorativa dos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro, serviu para destacar a importância e o protagonismo indígena na história e na formação do Brasil e demonstrou que a tão decantada "Carioquice" tem suas raízes mais profundas no espírito e no modo de vida dos povos indígenas que com muita determinação resistiram a 515 anos de colonização, genocídio e preconceitos e conseguiram manter até hoje seus saberes, sua espiritualidade, sua cultura e seu modo de vida tradicionais, constituindo uma população indígena brasileira atual estimada em 1 milhão de pessoas em todos os estados do Brasil, distribuídos em 305 povos indígenas e falantes de 180 línguas distintas.

O evento foi reconhecido como atividade de capacitação pela Escola de Administração Judiciária (ESAJ) e foram computados dois pontos para cada hora aos servidores participantes do Seminário, nos termos do art.3º, § 2º, da Resolução do Conselho a Magistratura nº 13/2013.

Conheça o Programa:

http://www.tjrj.jus.br/documents/10136/2631120/prog-seminario-indio.pdf .