Guardiões da infância e da juventude
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 17/05/2019 19:58
Comissários de Justiça festejam data em sua homenagem e falam das funções que exercem no Judiciário

O nosso trabalho é dar voz a quem precisa de ajuda”, avisa, de pronto, a comissária da Vara de Execução de Medidas Socioeducativas (VEMSE), Mara Desidério (casaco vermelho). A servidora faz parte de um pequeno exército que auxilia os juízes das Varas da Infância, da Juventude e do Idoso do Judiciário fluminense. Nesta segunda, dia 20 de maio, Mara e seus colegas comemoram uma data especial: O Dia Nacional do Comissário de Justiça.


Com a tarefa de ser, de certa forma, os olhos, os ouvidos, as pernas do juiz, na instrução dos processos, os comissários reconhecem que a função exige vocação, como reconhece Marcos Aurélio do Amaral de Menezes, da Vara de Família, Infância, Juventude e Idoso de Itaguaí. 


Para ele, o comissário, além de cumprir as obrigações do cargo, deve ser um colaborador para melhorias do sistema de garantias de direitos, sempre em conjunto com demais profissionais das comarcas onde atuam. E sempre, claro, em sintonia com o juiz responsável pela Vara. 


Para lidar com diferentes situações que a função exige, inclusive no caso de jovens em situação de risco, o comissário de Justiça precisa ter preparo. Afinal, atuam, não raro, em casos delicados, como os de violência contra crianças e jovens, os de alcoolismo em meio às famílias ou mesmo de ameaça aos menores – caso por exemplo, de fiscalizações festas ou bailes. 

 


O Comissário Rafael Bianco (foto), também da VEMSE, entende que o diálogo é o melhor instrumento para atingir crianças e adolescentes.


- O diferencial do nosso trabalho é o atendimento, é saber falar bem a língua dos jovens. Eles saem daqui e percebem que foram ouvidos. Muitas vezes, no âmbito familiar deles, é só pancada. Aqui, percebem que damos atenção que necessitam.   


A possibilidade da ressocialização de jovens move os comissários. A servidora Vânia Lúcia Bastos da Silva, da Vara de Família, Infância, Juventude e Idoso de São Gonçalo, já presenciou uma história de superação através do seu serviço. 


- Certo dia, levei um adolescente vindo da instituição de internação, onde cumpria medida por tráfico de drogas, para ser acolhido por não possuir referência familiar. Na instituição, ele reencontrou o irmão mais novo que não via há mais de seis anos. Foi emocionante o reencontro de ambos. Um tornou-se apoio e estímulo de vida ao outro. Hoje, este jovem já completou a maioridade, estuda, participa do Programa Jovem Aprendiz encaminhado pela VIJI e está se preparando para constituir família – conta.

 

Estado tem 172 comissários 

O Comissariado da Infância, da Juventude e do Idoso é um serviço essencial de assessoramento à Justiça da Infância e da Juventude, cabendo-lhe a fiscalização das normas de prevenção e proteção às crianças, adolescentes e idosos, sendo necessário que seus integrantes possuam formação em Direito, Pedagogia, Serviço Social, Psicologia, Sociologia ou Administração.  Atualmente, o Estado do Rio de Janeiro dispõe de 172 Comissários de Justiça. Eles atuam nas diversas Comarcas. 

MM/FS

Fotos: Felipe Cavalcanti