Presidente do TJRJ recebe prefeito Crivella para tratar sobre a Linha Amarela
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 08/11/2019 20:09

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, desembargador Claudio de Mello Tavares, recebeu, na tarde desta sexta-feira (8/11), o prefeito Marcelo Crivella e o procurador-geral do Município do Rio, Marcelo Silva Moreira Marques. A audiência foi solicitada pelo prefeito para tratar da Linha Amarela.

No encontro, Marcelo Crivella comunicou ao presidente do TJRJ que, na próxima semana, entrará com recurso contra a decisão da 6ª Vara de Fazenda Pública que suspendeu o processo de encampação do serviço de concessão da Linha Amarela. A liminar foi dada no dia 6 de novembro em ação proposta pela concessionária Lamsa.

Ao final do encontro, o desembargador Claudio de Mello Tavares informou que, tão logo o recurso seja apresentado, dará prioridade para analisar o pedido em razão da importância da via para a cidade e a população carioca.

- O prefeito informou que irá recorrer da decisão da 6ª Vara de Fazenda Pública e pretende que o Tribunal de Justiça conceda a suspensão da liminar no sentido de que o município possa assumir operação da Linha Amarela e que a questão da indenização seja discutida à parte nos autos do processo. Vou estudar, evidentemente, com todo o cuidado, considerando que se trata de um tema sensível para a população do Estado do Rio de Janeiro, como também, envolvendo uma grande empresa e a Prefeitura do Rio. Assim que receber o recurso darei prioridade – afirmou o presidente.

Marcelo Crivella agradeceu a atenção do presidente do TJRJ e disse estar confiante na possibilidade de ter uma decisão favorável à Prefeitura.

- A expectativa é de que o presidente do Tribunal de Justiça possa analisar o nosso pedido e decidir em favor do município, que está sendo prejudicado com o alto preço cobrado pelo pedágio. O lucro que a Lamsa recebe é desproporcional, mesmo considerando os custos assumidos com a inflação, o preço do petróleo, do asfalto, de luz e da mão-de-obra. A concessionária não mostra todo o volume de dinheiro que está recebendo pela exploração da Linha Amarela. Foi isso que viemos explicar ao presidente.

JM/FS

Foto: Felipe Cavalcanti/TJRJ