Fórum da Barra: obras garantem mais segurança e conforto para servidores e público
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 26/01/2021 16:47

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, desembargador Claudio de Mello Tavares, esteve, no fim da manhã desta terça-feira (26/1), no Fórum Regional da Barra da Tijuca, onde foram feitas intervenções de engenharia no 3° pavimento. Entre outros assuntos, ele conversou com o diretor do Fórum da Barra, juiz Mario Cunha Olinto Filho, sobre as atuais condições do prédio, inaugurado em 2001:

- É preciso que as pessoas tenham boas condições de trabalho para que possam prestar um bom serviço jurisdicional. Foram feitas obras básicas e extremamente necessárias para corrigir questões pontuais – disse o presidente.

O juiz diretor do fórum explicou que o prédio, que já tem 20 anos de uso, estava apresentando alguns problemas de vazamento e na parte elétrica, estando mais seguro agora, principalmente em relação à nova infraestrutura do Sistema Fixo de Combate a Incêndio.

Para a concepção e a execução do retrofit foi formada uma equipe multidisciplinar, de distintos Departamentos e Divisões, vinculadas às diretorias gerais de Logística (DGLOG) e de Segurança Institucional (DGSEI). Dentre as intervenções executadas estão a reestruturação das instalações elétricas, rede lógica, telefonia e sonorização; a substituição dos pisos elevados e respectivas infraestruturas; a troca das placas de forro de teto e respectivas infraestruturas; a substituição parcial das divisórias e ferragens e da infraestrutura do Sistema Fixo de Combate a Incêndio.

Também foram realizadas readequações dos espaços e mobiliários em atendimento a orientações sanitárias obedecendo medidas impostas pelas autoridades da área de Saúde Pública para conter a pandemia da Covid-19. Para gerar economia para o TJRJ, foi feita a implementação de nova iluminação com o uso de lâmpadas de LED.

Todos os serviços foram feitos preservando-se a integridade física dos colaboradores envolvidos, tendo sido adotadas medidas restritivas e de segurança como utilização de EPI's; higienização constante dos equipamentos e ferramentas de trabalho, redução do quadro funcional e revisão das metodologias de execução dos serviços, evitando, por conseguinte, aglomeração de pessoas durante o desenvolvimento dos serviços.

Fotos: Luiz Henrique Vincent