Acusados de matar a engenheira Patrícia Amieiro são condenados por fraude processual em Júri Popular
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 11/12/2019 08:57
O Conselho de Sentença do I Tribunal do Júri da Capital condenou os policiais militares Marcos Paulo Nogueira Maranhão e William Luis do Nascimento a um total de três anos de detenção e 60 dias-multa por fraude processual no caso envolvendo a morte da engenheira Patrícia Amieiro. Os dois foram absolvidos da acusação de tentativa de homicídio. Embora condenados, Marcos Paulo e William Luís poderão recorrer em liberdade.
 
Os também policiais Fábio Silveira Santana e Márcio Oliveira dos Santos foram absolvidos da acusação de fraude processual.
 

De acordo com a decisão , “as circunstâncias são gravíssimas. O veículo foi jogado numa ribanceira de forma a criar falsos fatos, colocando em risco, inclusive a vida de outras pessoas que ali poderiam estar”.

 

Lembrando o caso

Segundo o Ministério Público, em junho de 2008, o Fiat Palio da engenheira foi encontrado no Canal de Marapendi, que cruza a autoestrada Lagoa-Barra. A princípio, o caso foi tratado como acidente, mas, como o corpo de Patrícia Amieiro não foi encontrado, a polícia começou a trabalhar com a hipótese de homicídio. Após exames realizados, a perícia descobriu marcas de tiros no capô. Em 2012, foram encontradas roupas femininas no Sítio Vitória, no Itanhangá, cogitando-se que poderiam ser da engenheira, mas, com o exame de DNA, a hipótese foi descartada.

 

Processo número: 0175042-80.2008.8.19.0001