CCMJ participa da Semana da Justiça Pela Paz em Casa com mostras sobre a violência doméstica e contra a mulher
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 27/08/2019 10:10

O Museu da Justiça - Centro Cultural-Museu da Justiça segue engajado à Semana da Paz em Casa, com a apresentação de duas exposições com temas sobre a violência doméstica e, em especial, contra a mulher. Confira abaixo e programe-se. As duas mostras, uma de fotografias, e outra sobre o caso Ângela Diniz, têm entrada gratuita.

 

O assassinato da socialite Ângela Diniz pelo seu companheiro Raul Fernando do Amaral Street (Doca Street), em 1976, gerou uma ampla discussão nacional acerca da violência contra as mulheres. No decorrer do julgamento foi evocada a tese da legitima defesa da honra. Doca foi condenado a apenas 2 anos de prisão e solto em razão da suspensão condicional da pena. Grupos feministas, então, criaram o bordão “quem ama não mata”, que se tornou marca da luta contra a violência doméstica e familiar. Em meio a pressão da opinião pública, um novo julgamento foi realizado em 1981. Doca Street foi condenado a 15 anos de prisão, contudo, obteve liberdade condicional em 1987. 

19 a 31 de agosto, de segunda a sexta-feira, das 11h às 19h, sábado de 13h às 17h
Entrada franca | Classificação indicativa: 14 anos | Salas Cenográficas 307 e 309 - 3º andar, APJ-Rio

 

 

“Nunca me calarei”, do artista Márcio Freitas, é uma mostra fotográfica de rostos de mulheres brasileiras que sofreram alguma forma de assédio, tentativa ou abuso sexual. As fotos expõem nos olhares de cada uma das vítimas, dor, medo, mágoa e raiva, dando voz a quem durante muito tempo se manteve calada, devido a bloqueios sociais ou emocionais. O projeto nasceu da vontade do fotógrafo carioca captar, além da dor física, as marcas deixadas na alma e refletidas nos olhos de cada vítima desse tipo de violência. E é um convite a outras mulheres para que não se calem diante de qualquer forma de violência.

De 19 a 31 de outubro, de segunda a sexta-feira, 11h às 19h, sábado de 13h às 17h
Entrada franca | Classificação indicativa: 14 anos | Salão dos Passos Perdidos